Monthly Archives: agosto 2015

Corrente e Esperantina sediarão Seminário do TCE-PI em Setembro

Em setembro, dois municípios sediarão o Seminário de Formação de Controladores Sociais e Ouvidoria Itinerante. O primeiro nos dias 10, 11 e 12, em Corrente, e o segundo nos dias 17, 18 e 19 em Esperantina.

O Seminário é realizado há mais de cinco anos pelo Tribunal de Contas do Piauí com o intuito de aproximar o órgão da sociedade local e das cidades circunvizinhas, evidenciando a importância dos Conselhos Municipais para o desenvolvimento social, além de estimular o cidadão a acompanhar mais ativamente a gestão pública.

A programação conta com palestras como as sobre as Regras de Aposentadorias, as Principais Falhas na prestação de Contas e a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa e o Desenvolvimento Local. O evento também terá minicursos tratando de variados temas como Licitações e Contratos, Lei de Responsabilidade Fiscal e Processo Legislativo Municipal. O último dia de Seminário é voltado para conselheiros municipais, conselheiros tutelares e sociedade civil.

As inscrições do seminário são gratuitas e poderão ser realizadas através Inscrições e no início do evento.

Fonte:TCE-PI

TCE e MP Reforçam parceria no combate à corrupção

O Procurador Geral de Justiça, Cleandro Alves de Moura, visitou  o Tribunal de Contas do Estado, na companhia na assessora jurídica, Carmelina Mendes de Moura, com o objetivo de estreitar os laços e aprofundar a parceria existente hoje entre as duas instituições na área de cooperação técnica.

O Chefe do Ministério Público manifestou o interesse na realização de treinamento  para os técnicos e promotores do MP nas áreas de improbidade administrativa e licitação. Um outro acordo firmado entre os dois órgãos diz respeito à capacitação dos estagiários do Ministério Público que atuam nas diversas comarcas do Piauí para que sirvam como ponte entre o trabalho desenvolvido pelo TCE e pelo MP no combate à corrupção e ao desvio do dinheiro público.

O Presidente do TCE, Conselheiro Luciano Nunes, destacou a importância da sintonia existente hoje entre os dois órgãos  para a obtenção de um resultado mais efetivo na fiscalização e controle das contas públicas.

Fonte:TCE-PI

Texto de João Ubaldo Ribeiro.

Texto de João Ubaldo Ribeiro.

“Precisa-se de Matéria Prima para construir um País”
A crença geral anterior era que Collor não servia, bem como Itamar e Fernando Henrique.
Agora alguns dizem que Lula não serviu e que Dilma não serve. E o que vier depois de Lula e Dilma também não servirá para nada…
Por isso estou começando a suspeitar que o problema não está no ladrão corrupto que foi Collor, ou na farsaque foi o Lula.
O problema está em nós.
Nós como POVO.
Nós como matéria prima de um país.
Porque pertenço a um país onde a “ESPERTEZA“é a moeda que sempre é valorizada, tanto ou mais do que o dólar.
Um país onde ficar rico da noite para o dia é uma virtude mais apreciada do que formar uma família, baseada em valores e respeito aos demais.
Pertenço a um país onde, lamentavelmente, os jornais jamais poderão ser vendidos como em outros países, isto é, pondo umas caixas nas calçadas onde se paga por um só jornal E SE TIRA UM SÓ JORNAL, DEIXANDO OS DEMAIS ONDE ESTÃO.
Pertenço ao país onde as “EMPRESAS PRIVADAS” são papelarias particulares de seus empregados desonestos, que levam para casa, como se não fosse roubo, folhas de papel, lápis, canetas, clipes e tudo o que possa ser útil para o trabalho dos filhos e para eles mesmos.
Pertenço a um país onde a gente se sente o máximo porque conseguiu “puxar” a tevê a cabo do vizinho, onde a gente frauda a declaração de imposto de renda para não pagar ou pagar menos impostos.
Pertenço a um país onde a falta de pontualidade é um hábito.
Onde os diretores das empresas não valorizam o capital humano.
Onde há pouco interesse pela ecologia, onde as pessoas atiram lixo nas ruas e depois reclamam do governo por não limpar os esgotos.
O povo saqueia cargas de veículos acidentados nas estradas, dirige após consumir bebida alcoólica, pega atestado médico sem estar doente, só para faltar ao trabalho, quando viaja a serviço pela empresa, se o almoço custou 10, pede nota fiscal de 20.
Comercializa objetos doados nessas campanhas de catástrofes, compra produtos pirata com a plena consciência de que são pirata.
Quando encontra algum objeto perdido, na maioria das vezes não devolve, se falsifica tudo, tudo mesmo… só não falsifica aquilo que ainda não foi inventado.
E quer que os políticos sejam honestos.
O Brasileiro reclama de quê, afinal?
Aqui nossos congressistas trabalham dois dias por semana para aprovar projetos e leis que só servem para afundar o que não tem, encher o saco do que tem pouco e beneficiar só a alguns.
Pertenço a um país onde as carteiras de motorista e os certificados médicos podem ser “comprados”, sem fazer nenhum exame.
Um país onde uma pessoa de idade avançada, ou uma mulher com uma criança nos braços, ou um inválido, fica em pé no ônibus, enquanto a pessoa que está sentada finge que dorme para não dar o lugar.
Um país no qual a prioridade de passagem é para o carro e não para o pedestre.
Um país onde fazemos um monte de coisa errada, mas nos esbaldamos em criticar nossos governantes.
Como “Matéria Prima” de um país, temos muitas coisas boas, mas nos falta muito para sermos os homens e mulheres de que nosso País precisa.
Esses defeitos, essa “ESPERTEZA BRASILEIRA” congênita, essa desonestidade em pequena escala, que depois cresce e evolui até converter-se em casos de escândalo, essa falta de qualidade humana, mais do que Collor, Itamar, Fernando Henrique ou Lula, é que é real e honestamente ruim, porque todos eles são brasileiros como nós, ELEITOS POR NÓS. Nascidos aqui, não em outra parte…
Entristeço-me.
Porque, ainda que Dilma renunciasse hoje mesmo, o próximo presidente que a suceder terá que continuar trabalhando com a mesma matéria prima defeituosa que, como povo, somos nós mesmos.
E não poderá fazer nada…
Não tenho nenhuma garantia de que alguém o possa fazer melhor. Mas enquanto alguém não sinalizar um caminho destinado a erradicar primeiro os vícios que temos como povo, ninguém servirá.
Nem serviu Collor, nem serviu Itamar, não serviu Fernando Henrique, Lula e nem a Dilma, nem servirá o que vier.
Qual é a alternativa?
Precisamos de mais um ditador, para que nos faça cumprir a lei com a força e por meio do terror?
Aqui faz falta outra coisa.
E enquanto essa “outra coisa” não comece a surgir de baixo para cima, ou de cima para baixo, ou do centro para os lados, ou como queiram, seguiremos igualmente condenados, igualmente estancados…
Igualmente sacaneados!
É muito gostoso ser brasileiro.
Mas quando essa brasilinidade autóctone começa a ser um empecilho às nossas possibilidades de desenvolvimento como Nação, aí a coisa muda…
Nós temos que mudar! Um novo governante com os mesmos brasileiros não poderá fazer nada..
Está muito claro…
Somos nós os que temos que mudar.
Agora, depois desta mensagem, francamente decidi procurar o responsável, não para castigá-lo, senão para exigir-lhe (sim, exigir-lhe) que melhore seu comportamento e que não se faça de surdo e desentendido.
Sim, decidi procurar o responsável e ESTOU SEGURO QUE O ENCONTRAREI QUANDO
ME OLHAR NO ESPELHO